Comunidade Sebrae contabiliza mais de 3 mil empresas atendidas em 2017

Criado por Juliana Oliveira   |  Publicado em 01-02-2018

Comunidade Sebrae contabiliza mais de 3 mil empresas atendidas em 2017

Com o objetivo de impulsionar os negócios da base da pirâmide e fomentar o empreendedorismo de impacto, a Coordenação Comunidade Sebrae tem sido cada vez mais atuante no Rio de Janeiro. Em 2017, a Coordenação, que se divide em três projetos, realizou mais de 3.300 atendimentos a empresas, 360 formalizações e mais de 200 capacitações presenciais.

O projeto ‘Desenvolvimento do Empreendedorismo em Comunidades’ tem intenção de promover, por meio do fomento ao empreendedorismo e fortalecimento dos pequenos negócios, o desenvolvimento institucional e socioeconômico sustentável das áreas de favelas do Rio de Janeiro. Presente em cinco comunidades: Alemão, Cidade de Deus, Maré, Rio das Pedras e Rocinha, dentre outros serviços, foram oferecidos: plantão de orientação individual sobre gestão empresarial, formalização e consultorias para emissão de NF, além de atendimento individualizado para renegociação de dívidas com instituições financeiras.

Além da atuação territorial, alguns projetos setoriais foram desenvolvidos. O de gastronomia tem como principal objetivo fomentar o desenvolvimento dos bares e restaurantes localizados em comunidades de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) para que haja uma queda na mortalidade dessas empresas e uma elevação na lucratividade e competitividade. Em 2017, foi promovido o evento ‘Sabores e Cores da Periferia’. A atividade apresentou a experiência gastronômica de empreendedores de favelas e periferias do Rio de Janeiro. Nos últimos três anos, 57 empresas foram capacitadas e participaram com o Sebrae/RJ de três eventos de grande e médio porte no setor, além de duas edições do Circuito Gastronômico Sebrae na Mesa Comunidades.

Já o projeto AfroModa visa fortalecer o afroempreendedorismo por meio do incentivo aos negócios, inclusão produtiva e sustentabilidade dos pequenos negócios, com o aumento da competitividade do segmento de moda afro. Através de um edital foram selecionadas 46 marcas de moda afro-brasileira que, ao longo do ano, participaram de oficinas e consultorias em gestão de negócios, impacto social e aperfeiçoamento de produto. Durante o projeto, os afroempreendedores fundaram o coletivo AfroCriadores que, no mês da Consciência Negra, realizou intervenção artística de moda da Estação Central do Brasil e ocupou o stand do Sebrae/RJ na Feira da Providência.

Para garantir o desenvolvimento dos clientes, também foram realizados o projeto ‘TOP Empreendedor’ e ‘Mulheres Empreendedoras em Cena’. No primeiro, através de edital, empresas foram selecionadas para participar de uma ação de consultoria in loco para melhoria do índice de gestão empresarial. O resultado foi uma melhoria de 26% em práticas de gestão. O ‘Mulheres Empreendedoras em Cena’ viveu a segunda fase da ação durante 2017, com o objetivo principal de contribuir para que as mulheres criem um contexto favorável à mudanças comportamentais com foco na elevação do desempenho. O resultado foi uma melhoria de 21% no índice comportamental.

O segundo projeto da Coordenação Comunidade Sebrae é o ‘Periferia Faz Negócio’, que tem como objetivo desenvolver uma metodologia de operação assistida para empreendedores das periferias metropolitanas, com foco no entendimento do contexto econômico e nas necessidades mais imediatas do público alvo para ganho de escala. Com o lema “transformando sonhos em negócios”, o projeto visa trabalhar diretamente com os negócios na base da pirâmide, acreditando fortemente que o empreendedorismo é uma poderosa ferramenta de crescimento econômico e desenvolvimento social.

Em 2017, as ações foram pautadas na co-criação, para garantir o entendimento do modelo e do funcionamento dos negócios mais recorrentes geridos pelo público alvo, visando a eficácia do método de acompanhamento empresarial. Houve também esforço na construção de índices de desenvolvimento do território e nas empresas.

O ‘Negócios de Impacto Social e Ambiental’ é também parte da Coordenação Comunidade Sebrae e visa fomentar pequenas empresas que oferecem soluções para problemas sociais e ambientais, contribuindo para transformar a realidade de populações da base da pirâmide. Em 2017, através do programa Impacta, 35 negócios participaram de workshops presenciais e receberam sessões de consultoria e mentoria, com o objetivo de proporcionar melhorias na gestão empresarial através da metodologia “Caminho Empreendedor”. Das 32 empresas concluintes, pelo menos metade dobrou seu faturamento em apenas quatro meses de aceleração.

Foi formado também o grupo Rio de Impacto, reunindo 13 instituições de apoio a negócios de impacto do Rio de Janeiro para atuarem em conjunto na intenção de melhorar a oferta de serviços aos empreendedores de impacto e apoiá-los a se desenvolverem de forma estruturada e saudável.

O projeto também possibilitou a construção de uma ferramenta nova para o setor de Negócios de Impacto Social e Ambiental. Um ambiente online que tem por objetivo ser um canal de disseminação sobre o tema de negócios de impacto, reunindo as principais ações do projeto, divulgando notícias relevantes sobre a atuação de outras instituições de apoio e permitindo que qualquer pessoa que possua uma ideia e/ou negócio de impacto faça um diagnóstico empresarial. O endereço do site é www.negociosdeimpactosebrae.com.br

Ainda em 2017, durante dois dias, Sebrae/RJ e PNUD realizaram um ciclo de debates sobre negócios de impacto social com o objetivo de abordar questões relativas ao ecossistema de instituições de apoio a esses negócios e os principais desafios para os empreendedores que buscam aliar lucro ao benefício da sociedade. O evento foi gratuito e contou com a participação de mais de 200 pessoas.