Como a Teoria de Mudança pode influenciar os Negócios de Impacto Social

Criado por Juliana Oliveira   |  Publicado em 24-05-2018

Como a Teoria de Mudança pode influenciar os Negócios de Impacto Social

Na gestão de um negócio de impacto, o que vem primeiro: a solução ou o problema? Ainda que antecipar demandas do mercado possa ser válido na hora de criar um negócio inovador, para startups, empresas e organizações que buscam gerar impacto social e/ou ambiental, compreender profundamente o problema que se busca resolver ou a realidade onde se quer intervir deve estar entre os primeiros passos a serem tomados. Empreendemos na intenção de transformar alguma coisa, oferecer novas soluções, mas como descobrir se a transformação ou as soluções propostas são realmente capazes de resolver o problema?

As Teorias de Mudança existem justamente para compreender o caminho entre o problema e as possíveis soluções e o que isso trará em médio ou longo prazo. Elas são uma forma de se utilizar as evidências para relacionar as necessidades do público-alvo, os serviços prestados e os resultados atingidos.

O consultor em desenvolvimento organizacional evolutivo, Rogério Silva, produziu um artigo para o Projeto Draft, fazendo uma relação entre os negócios de impacto social e as Teorias de Mudança. Sua intenção foi apresentar alguns pontos críticos capazes de apoiar a construção e uso de ferramentas. A inspiração partiu de uma aula ministrada a jovens empreendores ligados à aceleradora Artemísia.

Segundo ele, as Teorias de Mudança têm sido cada vez mais utilizadas para três pontos essenciais a esses negócios:

  • Permitir a projeção dos impactos socioambientais desejados;
  • Apoiar a elaboração de uma narrativa causal consistente para resultados;
  • Alinhar equipes e stakeholders em torno de propósitos.

“Oriundas do campo da gestão por resultados e primas dos modelos lógicos, as teorias são um fluxo explicativo capaz de demonstrar de que maneiras as transformações sociais desejadas e necessárias serão produzidas. Encadeando estratégias, população-alvo, produtos, resultados e impactos em relações causais, as Teorias de Mudança são uma forma de projetar os compromissos de um negócio com a sociedade”, explicou Silva em seu artigo.

Com o objetivo de fomentar o uso da ferramenta entre os negócios de impacto, ele apresenta sete argumentos para apoiar tanto aqueles que simplesmente queiram compreender melhor, como aqueles que queiram construir ou revisar a teoria de mudança de seu negócio.

  1. Conheça muito bem o conceito

Como dissemos anteriormente, quando empreendemos queremos transformar algo ou apresentar soluções. Para Rogério, toda Teoria de Mudança retrata uma ação inserida em uma realidade social. E, como todas as realidades possuem atores, problemas, ativos, demandas e uma série de regras culturais e legais, é de suma importância conhecer a realidade sobre a qual se deseja intervir. Quanto mais a fundo se conhece os problemas, as particularidades e as oportunidades da sociedade que se deseja impactar, mais relevante será o caminho da ação.

Portanto, é necessario que a Teoria de Mudança demonstre da forma mais fiel possível a realidade do problema social que se deseja resolver, e que ela apresente estratégias que sejam realmente capazes de solucionar ou diminuir os efeitos daquele problema na sociedade afetada, seja diretamente ou com o uso de parcerias.

  1. Tenha uma declaração de impacto clara

O especialista explica que as Teorias de Mudança devem apresentar uma declaração de impacto clara e consistente, sendo este o norte de sua construção. Além disso, precisam também apresentar a cadeia de resultados (outcomes), produtos (outputs) e estratégias (serviços, ações, iniciativas etc.) que conduzirão ao impacto.

  1. Tenha consciência de sua responsabilidade

Uma Teoria de Mudança é sempre uma declaração política, não importa sobre o que ela se trata. É preciso ter consciência do que isso representa: uma promessa de o que o negócio está comprometido e orientado com aquela transformação socioambiental necessária na sociedade. Por isso, as teorias devem ser capazes de demonstrar seus objetivos de forma delimitada, traçando assim quais são suas responsabilidades.

“Em outras palavras, reconhecer que sua governabilidade sobre o impacto é sempre limitada”, escreveu Rogério.

  1. Fale sobre resultados e não intenções

Para Silva, as Teorias de Mudança devem explicitar impactos e resultados alcançados, mas nunca objetivos ou operações. Ao falar de “casas reformadas”, “professores formados” ou “alunos certificados”, segundo ele, as Teorias de Mudança deslocam o discurso das intenções para as conquistas, não falando em “reformar casas”, “formar professores“ ou “certificar alunos” em prol de um discurso de entregas tangíveis.

  1. Tenha um manifesto leve e direto

As Teorias de Mudança, além de tantas utilidades, são também excelentes peças de comunicação que podem comunicar à sociedade os valores e o compromisso de um negócio com o impacto social. Mas, para que isso seja possível, é preciso que a mensagem seja passada de forma sucinta, clara e inspiradora.

“Abandone a silhueta sisuda das matrizes e relatórios de planejamento, substituindo-os por representações gráficas que articulem impacto, resultados, produtos, estratégias e pressupostos”, diz Silva em sua publicação, acrescentando que é necessário adicionar à representação gráfica uma narrativa que, no formato leve e direto de um manifesto que possa ser lido em 3 a 5 minutos, seja capaz de ungir a Teoria de Mudança com elementos do contexto (problemas, oportunidades etc.) e com os compromissos do negócio (impacto desejado e resultados que levarão a ele).

  1. Atente para o processo de construção da mudança

“O tempo já nos mostrou que Teorias de Mudança impostas de cima para baixo não geram compromisso e, muitas vezes, nascem com grandes lacunas técnicas”, destacou Rogério.

Para ele, as teorias não buscam apenas construir um marco de ação consistente, mas também alinhar equipe e atores em torno de um propósito comum. Para isso, a teoria precisa ser construída de forma cuidadosa e inclusiva. Silva garante que a maneira como os atores interagem, a qualidade de seus diálogos, o espaço para leituras críticas e o impulso para proposições criativas e tecnicamente consistentes são determinantes para a qualidade de uma teoria de mudança.

  1. Monitore e adapte o que a sua teoria propõe

Rogério é categórico: toda Teoria de Mudança é uma aposta.

Por isso, de acordo com ele, todas elas guardam zonas de incerteza. Mesmo quando embasadas em estudos científicos ou boas pesquisas de comportamento, elas falam de ações no futuro, ações que irão operar num campo imprevisível onde agem e interagem inúmeras forças, visíveis e invisíveis. Neste cenário, erros de estratégia e de expectativas são comuns. Por isso, é de extrema importância que processos de monitoramento sejam implantados para que se esteja sempre atento à teoria x realidade.

Com critérios de desempenho colados aos indicadores, tal como um número ou um percentual esperado em um determinado período de tempo, mas também com permanente leitura qualitativa da realidade e do funcionamento do próprio negócio, é possível guiar as operações de forma a adaptar o negócio às demandas e oportunidades emergentes.

“Ainda que uma Teoria de Mudança seja a projeção de um futuro desejável, ela é também uma aposta que poderá ser alterada ao longo do percurso. Teorias de Mudança, portanto, não devem ser escritas em pedra”, confessou o especialista.

Por fim, Rogério comenta que nada ensinará mais sobre a Teoria de Mudança do que seu uso prático, sua construção coletiva e sua apresentação à sociedade. Neste sentido, as recomendações com as quais ele conclue o artigo são: faça você mesmo! Experimente! Faça com os seus colegas! Mostre para seus parceiros e apoiadores!

Você encontra o artigo completo do consultor em: https://projetodraft.com/para-transformar-a-realidade-os-negocios-sociais-precisam-conhecer-as-teorias-de-mudanca-eis-as-chaves/

Foto: Projeto Draft